Paul McCartney – Back in Brazil

Esses dias atrás foi aniversário do Paul McCartney e rolou por aqui homenagem pra aquele que pra mim é o maior gênio criativo vivo e meu ídolo supremo.

Recentemente o nosso Paulinho lançou um álbum novo, do alto dos seus 76 anos, chamado Egypt Station. E o véinho não para, basta abrir o youtube ou o facebook pra ver que a divulgação do álbum tá pesadíssima. Paul tá indo nos principais talkshows do mundo pra divulgar seu álbum novo, tá produzindo clipes de algumas faixas, fazendo posts em redes sociais, ações com a gravadora e muito mais.

Enfim, vitalidade para trabalhar invejável, né não?

Hoje trago os dois singles que foram lançados desse novo álbum. A primeira é Back in Brazil:

 

Se eu disser que eu amei essa música é mentira. Achei muito new wave, e achei a letra da música meio sem graça. Mas quem sou eu pra criticar o trabalho do nosso Sir né? Isso mesmo : ninguemzíssima, portanto, vamos só curtir a musiquinha.

O outro single,  Fuh You ,saiu clipe hoje. O clipe é fofinho, porem nada demais. Na era que vivemos, dos clipes virais à la Childish Gambino e Cia, acho que o Paul poderia fazer um clipe causante de vez em quando, só pra mostrar pra galerinha quem é que manda. Que que ceis acham?

Gostei mais de Fuh You do que de Back in Brazil. Aqui podemos ouvir melhor a voz do Paul, embora achei a instrumentação meio “comum” nas músicas atuais.

Mas é isso aí, o Paul segue sendo meu ídolo máximo e incomparável, mesmo achando meio mais do mesmo as musiquinhas novas. Já avisei que nesse bloguinho não trabalhamos com imparcialidade no que se refere a Beatles.

Pega aqui a presença magnânima do nosso véinho no Jimmy Fallon:

Inclusive, anunciando que vai sair em turnê de novo. Quem vamos????

Dalva de Oliveira – Bandeira Branca

Não sei por qual motivo acordei com essa música na cabeça hoje, nessa versão incomparável da Dalva de Oliveira.

Acho ela incrível, potente, emblemática.

Quem já conhece esse bloguinho, sabe que eu adoro pensar em “músicas dignas de trilha sonora”, e acho essa música tão forte, com um significado tão legal, uma instrumentação tão foda, que imagina só ela sendo empregada em um momento decisivo, impactante de um filme?

Sensacional:

Recentemente li o incrível livro “A noite de meu bem” do Ruy Castro, em que ele conta com riqueza de detalhes a trajetória de Dalva e de tantos outros nomes incríveis da música nacional nas décadas de 30, 40 e 50.

Nessa época, como podemos imaginar, as gravações eram muito mais difíceis e caras de executar do que hoje. E por isso, as gravadoras tinham seus artistas favoritos, que eram os que tinham “direito” a usar orquestras completas em suas gravações. Dalva de Oliveira era uma dessas. Basta prestar atenção em algumas de suas músicas para perceber a riqueza de instrumentação e se dar conta que ela era pra lá de favorita:

Pra fechar em clima carnavalesco, deixo Dalva cantando Máscara Negra de Zé Keti (como eu amo as vogais alongadas) :

Tanto riso, oh, quanta alegria!

Originais do Samba – Falador passa mal

Hoje percebi (não sei se começou antes), que começaram as propagandas políticas na tv e no rádio.

Eu considero a época de eleições desesperador, um desastre generalizado (essas eleições presidenciais então, só por deus) . São tantas promessas absurdas e infundadas, que achei apropriada essa música pra esse momento:

Reconheceu de quem é a risada no meio da música?

É ele mesmo, o Mussum. O Originais do Samba era o grupo de samba dele antes de entrar pros Trapalhões. Legal né?

Olha que Mussum novinho mandando um ao vivasso sensacional aqui:

Aqui o Mussum fala do jeitão boa praça dele de como começaram os Originais do Samba, e algumas dificuldades que eles passaram:

Tá na hora de empirulitar?

Dorival Caymmi – Saudades da Bahia

 

 

Hoje por algum motivo inusitado (fome, quem sabe?), acordei com a fofíssima música Quindis de Yaya na voz do Dorival Caymmi tocando na minha cabeça.

Pensei em posta-la aqui hoje, mas infelizmente não encontrei a versão do Dorival no youtube, e eu também só tenho ela em vinil. Em contrapartida, encontrei essa versão divertida do filme da Disney de 1944, “Los Tres Caballeros”, divirta-se:

Depois disso, só de ficar o nome Dorival Caymmi na minha cabeça, a primeira música que penso dele é essa:

“Se ter saudade é ter algum defeito…eu pelo menos mereço o direito, de ter alguém com quem eu possa me confessar…”

E a próxima que vem a mente quando penso em Dorival, é a espetacular Suíte dos Pescadores, forte, impactante:

Como eu adoro minhas coincidências inusitadas de datas por aqui, semana passada, dia 16, completou 10 anos da morte do Caymmi.

 

Rincon Sapiência – Meu Bloco

Viu, eu precisava falar uma coisa procês.

Cês sabiam que nós temos um Childish Gambino misturado com o Kendrick Lamar só que brasileiro?

Eu sou muito fã dos dois citados acima, acho que são geniais, engajados, autênticos e talentosos, e com isso, INDISPENSÁVEIS pro atual cenário musical.

E hoje por um acaso descobri o Rincon Sapiência, que é uma mistura abrasileirada sensacional com esses dois expoentes do rap mundial.

As letras do Rincon são ácidas, duras, precisas, lotadas de críticas, referências históricas e cultura pop. A estética é sensacional, e os clipes idem.

Assista ao clipe de Meu Bloco, de fevereiro de 2017, e veja se o clipe não te lembra uma coisa de This is America, nessa câmera andando junto? E o som tem uma coisa meio Backseat Freestyle e Goosebumps do Kendrick Lamar (que puta que o pariu, como não tem nenhum post dele aqui? terei que providenciar) :

 

Pra quem adora encher a boca pra falar que não tem nada que presta na música nacional, que não tem conteúdo, toma aí, aceite e acompanhe a letra das músicas abaixo:

Por aqui já apareceu muito a frase Viva o rock nacional, mas pra hoje deixo a: viva o rap nacional!

 

“Na rua a gente vê a real nego
são coisas de Brasil não é mole não
Sentado no sofá não vai dar nego
nem tudo é verdade na televisão

Não procede o pensamento fútil
que resumiu Brasil em futebol e glúteo…”

Pomplamoose – Eleanor Rigby (cover)

Eu adoro quando o youtube / spotify me sugerem músicas novas. Muitas vezes aparece coisas que já conheço ou que são ruins, mas muuuuitas vezes aparecem muitas  coisas legais.

Se você já conhece esse bloguinho, sabe que eu amo profundamente covers incríveis, quando os artistas trazem estilo autoral à música original e deixam ela diferentona e incrível.

E se você de fato já conhece esse bloguinho, não precisamos nem dizer qual o sentimento por aqui em relação a Beatles, não é?

Olha que demais esse cover feito pela dupla americana Pomplamoose da já sensacional Eleanor Rigby dos Beatles, só que aqui com apenas voz+baixo+piano:

É uma versão suave de uma música tão intensa. Não tem como não se surpreender, não é?

Mas esses mocinhos super talentosos tem muitoooos covers incríveis! Olha esse de Killing me softly, que lindo, que harmonia vocal sensacional:

Essa aqui é demais, um mashup de Jamiroquai e Bee Gees que ficou incrível. Acompanhe a empolgação do tecladista e do baixista e se empolgue junto:

Pra dar o play no canal e ficar ouvindo todas !