Neil Young – Heart of gold

Well guys, sorry for the MIA I’ve been pulling off in here, but things have been a little crazy lately. Who said it was easy to be a modern gipsy in Italy with one unit of husband and one unity of dog?

Well, this morning I woke up feeling like it has been a long time since I didn’t listen to some good classics of my playlists. Those kind of songs that are always good to listen, no matter how is your mood for the day. Beautiful and meaningful songs. Here’s one of them, for you to start your week in the right mood:

 

I find Heart of gold a very emotional and touching song, for me, it is one of those songs that you really must stop everything you’re doing in order to pay attention to it.

How could we categorize mister Neil Young? Folk, rock, country? What about all of them? This guy is awesome and that’s it. Here’s a longer, but plain ol’ AWESOME song, Down by the river:

 

Another one I love is the classic Harvest Moon, I don’t know, it’s like this song (and it’s videoclip) are able to transport you into another time, age, universe where everything is just so simple, so happy and carefree:

You know I couldn’t leave without adding Old Man to this fantastic post.

By the way, if you enjoy Neil Young, his youtube channel is stocked with awesome videos and lots lots lots of great songs in many different versions. Enjoy!

*******************************************************************************

Olá amiguinhos, desculpem ter sumido momentaneamente, mas devo admitir que as vezes a minha mentalidade de “ano sabático” engloba todas as partes da vida, inclusive esse humilde bloguinho.

Hoje acordei nesta segunda feira pensando como faz tempo que eu não escutava canções clássicas das minhas playlists, canções que estão lá há muito tempo, e que sempre são fantásticas. Canções que vão bem com qualquer momento e tipo de humor, pois sempre acrescentam alguma coisa.

Heart of Gold é uma canção muito emocional e tocante. Pra mim é aquele tipo de música que você absolutamente tem que parar o que está fazendo pra prestar atenção.

Como poderíamos categorizar o sr. Neil Young: folk, rock, country? Todos juntos? Não importa, o que importa é que ele é simplesmente foda e sempre tem alguma canção que combine com seu humor do dia, como a incrível Down by the river:

OUtra canção que adoro é Harvest moon. Parece que ela (e seu clipe) te transportam pra um momento no tempo maravilhoso, em que tudo é feliz e despreocupado:

Não poderia ir embora sem deixar Old man aqui né? Aliás, se você é fã do trabalho do Neil Young, o canal dele no youtube é recheado de músicas, entrevistas , versões ao vivo etc etc. Imperdível!

The Zombies – That time of the season

I’ve mentioned here a couple of times about my Beatlecentric view of the world, in which I theorize about how The Beatles have completely changed the musical industry, etc, etc, etc, and there is the world before-Beatles and after-Beatles, but you’ve read about it already (and very probably disagreed, but that’s ok, we can still be friends).

And so, my dear Beatleskeptical friend, a Beatle-related phenomenon you surely can’t deny, is the British Invasion.

This term represents the movement in which many cool and stylish british bands were boosted world-wide, and mainly in America’s hit parades, by The Beatles’s success.

The Zombies was one of those bands. They went big on the parades in the US in 1964 with “She’s not there”, here for you to listen:

I like it, it’s catchy, it’s as british invasion as you can possibly get, I find it charming, with an awesome instrumentalization. But IMHO, the crown’s jewel ( did you appreciate this very smart queen related pun? huh? huh?) by The Zombies is the song Time of the season.

I think that maybe it sounds better because here the singer Rod Argent isn’t singing in a higher note than his actual tune is, as in She’s not there. Also this song has a great pace, and a sensual feel to it. Plus the crazy ambitious keyboard solo. What’s not to love?

Fun fact: when they sing “Who’s your daddy? / Is he rich like me?” is a reference to the fantastic Gershwin / Heyward Jazz song Summertime, in which we hear Oh, yo’ daddy’s rich and yo’ ma is good-lookin’”.

Sensational.

Go ahead and add it to your playlist, so you can hear it in the morning, afternoon, evening, working or during your holidays. Just go, already and add it!

 

*************************************************************************************

 

Já falei algumas vezes aqui no blog sobre a minha visão de mundo Beatlecêntrica, que eu enxergo como os Beatles mudaram completamente a indústria musical, etc, etc, etc.

E um fenômeno danado provocado pelos Beatles que você – por mais anti-Beatles que seja, querido leitor – não pode negar, é a British Invasion.

Calma, permita-me desanglicanizar, esse termo representa o movimento de invasão de bandas britânicas com seus estilos pra lá de cool e músicas descoladas no mundo inteiro e principalmente nas apradas de sucesso dos EUA.

The Zombies foi uma dessas bandas, que estourou nos EUA em 1964 com “She’s not there” , que vou deixar aqui pra você curtir:

Acho boa, acho chciclete, acho british invasion pra caramba, acho charmosa, acho a instrumentação foda. Mas a joia da coroa (apreciou o trocadilho, referente à terra da rainha? hum? hum?) dos Zombies pra mim é Time of the season.

Talvez ela soe melhor (na minha humilde opinião), por que aqui o vocalista Rod Argent não canta tanto em falsete como em She’s not there, e sim utiliza seu timbre mais grave com essa música mais lenta.

Sensacional.

Essa é pra adicionar na playlist e ouvir de manhã, tarde, noite, trabalhando ou de férias. De nada!

 

Mamas and Papas – Dedicated to the one I love

Mamas and Papas is a group that was huge in the 60s, but ended under rough terms, and nowadays people don’t really talk about them.

Did I rush it? C’mon, no storytelling?

Ok, ok, you won. Since you want some hot gossip that happened some 40 years ago, I’ll detail it just a bit for you.

Allow me to explain. Mamas and Papas was a band, composed by 2 men and 2 women. Hum. Out of these 2 men and 2 women, there was a couple. A married couple, Michelle and John Philips:

Risultati immagini per John and Michelle Phillips

But in a not so happy day, John caught MIchelle cheating on him with none less then the other man group member, Denny Doherty. Needless to say, that was awkward, and so after only 3 years of great success, the band fell apart as much as the wedding.

Each one of the group members made their own solo career after the break up, but there was never such a huge meteorical success as the Mamas and Papas ever achieved. 

When I was young and started collecting vinyls, one of my first purchases back then in the mesozoic before-internet era, was a Mamas and Papas greatest hits album. I had never heard their sound before, and had no idea what I was up for. But man oh man, how I loved that record. I mean, I’ve heard somewhere California Dreamin’, but didn’t relate. 

One of my favorites was Dedicated to the one I love:

I’ve always had fun listening to them pronouncing the words “each night” very closely, sounding almost like a german word. Silly, but fun.

I call your name is another fantastic hit from my mesozoic vinyl. I think you’ll love it:

Another adorable tune was Monday, monday:

Well, since I mentioned California Dreamin’ back there, I’ll feel a little bad if I don’t link it here for you to listen, otherwise you will feel nostalgic:

Now tell me, what was your favorite : the hot 40 year old gossip or the songs?

*************************************************************************************

 

 

Mammas and Papas é uma banda que fez muito sucesso nos anos 60, mas acabou de forma abrupta por intrigas amorosas dentro da própria banda,e hoje em dia quase ninguém mais fala deles.

Apressei demais a estória?

Tá bem, vou detalhar um pouco mais, já que você quer ler fofocas.

Eu explico. Mammas and Papas era uma banda composta por 2 homens e 2 mulheres. Desses, 1 era um casal. No caso, Michelle e John Philips:

Risultati immagini per John and Michelle Phillips

Mas um belo dia, o John pegou a Michelle traindo ele com o outro integrante do grupo, o Denny Doherty. Aí nem preciso dizer que o Kissuco ferveu, e o grupo depois de 3 anos juntos logo se separou, tal como o casal.

Cada um seguiu o seu caminho em carreira solo, e assim acabou a trajetória meteórica de três anos do Mammas and Papas.

Quando eu comecei a colecionar meus discos de vinil, um dos primeiros que comprei na era mesozóica pré-internet, sem saber quem eram nem que música faziam, foi dos Mammas and Papas, e nossa, como eu adorava aquele disco.

A minha favorita era essa, Dedicated to the one I love:

Sempre gostei da forma que eles pronunciavam “each nite” bem pertinho, fazendo soar como uma palavra em alemão.

Outra que eu adorava era Monday, Monday:

Bom, não preciso nem falar que o hit que fez com que eles ficassem muito famosos foi California Dreamin’. Gosto também, então vou deixar por aqui, porque não?

E aí? Gostou mais das fofocas ou da música?

 

When I’m Gone – Phil Ochs

Hold up.

Now this is some fucking amazing, mind-blowing, heart pinching song.

Goddamn.

Phil Ochs is a very talented performer that many people don’t know. He was a very outspoken singer and songwriter in the counterculture scene of 1960s USA. 

Risultati immagini per phil ochs

He was known as a stingin protest singer, always very vocal on his opposition to the vietnam war, government and politicians, and other society problems. He was a very prolific and talented writer, with many songs written and articles published in newspapers, in order to perpetuate his ideals and share it with the world.

Sadly, he commited suicide by the age of 35, leaving a legacy of painfully strong protest songs, that seem more and more actual to these days.

Listen, get the feels, and be mesmerized by the power there is in When I’m Gone:

 

Essa música é foda.

Puta merda.

Phil Ochs foi um nome muito ativo na cena da contra cultura americana dos anos 1960. Ele era conhecido como um cantor de protesto, sempre se opondo a guerra do vietnã e demais problemas da sociedade. Escrevia muito, e era sempre muito prolífico de seus ideais.

Cometeu suicídio aos 35 anos, e deixou um legado de músicas de protesto que parecem atuais demais pros dias de hoje.

Curta When I’m Gone:

Peter, Paul & Mary – Don’t Think twice, it’s alright

Today I bring you guys a drop dead gorgeous song.

It’s originally a Bob Dylan song, but I must confess to you that even though he is a brilliant composer, he sure isn’t one of my favorite performers. 

The wonderful tune Don’t think twice, it’s alright is here performed by the a-mazing american folk trio Peter, Paul and Mary, which as Wikipedia kindly tells us, is composed by a tenor, a baritone and a contralto.

Maybe that’s why their voices sound so unbelievably beautiful. I get chills when they sing all together in some parts of the song. It might be a bold statement that I’m about to do, but I could say that this is my favorite song in this moment. It’s crazy, I just have to stop everything I’m doing to listen to it, and I  get teared up from the middle on.

 I guess that it’s just so simple and powerful, and so, so beautifully done that it moves me to the bones.

Besides the wonderful tones of the voices, another thing that gets me is the marvellous guitar fingerpicking. If you, such as I did, enjoyed the sonority of this fantastic group, I’ll leave you another fantastic interpretation, now from John Denver’s Leaving on a jet plane.

Bonus: if you open this above link on youtube, there are some very touchy comments of american veterans, telling how they’d listen to this song when going to the ‘Nam and how much feeling this song carries to them. Just to make it even more emotional.

If you are like me, and enjoy watching great artists just nailing a live performance, then boy oh boy, are you in for a treat with this video below. By the way, how many chords can Paul pull in a minute? C’mon man.

 

 

 ***************************************************************************************************

Hoje eu trago uma música muito linda mesmo.

Originalmente ela é do Bob Dylan, que é um puta dum compositor, mas digamos que não é um dos meus cantores favoritos.

A lindíssima “Don’t think twice, it’s alright” hoje vem cantada pelo trio americano Peter, Paul and Mary, que como nos explica a wikipedia, é composto por um tenor, um barítono e uma contralto.

As vezes é por isso que as 3 vozes se complementam tão lindamente. É de arrepiar quando eles cantam todos juntos nas partes altas da música:

Além das vozes maravilhosas, o dedilhado do violão é lindíssimo. Se você gostou da sonoridade desse trio folk maravilhoso, vou deixar aqui mais uma interpretação fantástica deles, pra música “Leaving on a jet plane”, originalmente de John Denver.

Bônus: se você abrir esse segundo vídeo direto no youtube, tem alguns comentários emocionantes de americanos relatando que ouviam essa música quando estavam indo lutar na guerra do Vietnam. Pra deixar mais emocionante ainda.

Se você é como eu, e gosta de ver “quem sabe fazendo ao vivo”, olha que lindo esse show de 1965. Atenção pros violões: quantos acordes complexos o Paul faz por minuto? hahaha

Carmen McRae – Sound of Silence

Depois de um longo período longe do bloguinho, decidi voltar.

Confesso que o período de eleições foi tão caótico, tanta baixaria, tanta briga pra todos os lados, que me deixou sem muita vontade de escrever e falar sobre coisas aparentemente sem importância, como musiquinhas que eu gosto.

Mas enfim, agora deu vontade de voltar, e cá estou, com muitas músicas legais pra compartilhar.

Já que estive em silêncio pelos últimos 40 dias por aqui, achei válido trazer uma música temática.

Trago a conhecidíssima “Sound of Silence” dos lindos Simon& Garfunkel, só que numa versão incrível, performado pela maravilhosa Carmen McRae, em 1968.

Musicalização fantástica, ritmo e groove sensacionais. E pra quem gosta de um belo baixo destacado, vai apreciar. Achei que ficou um cover incrível e cheio de personalidade.

Se deu vontade de ouvir a original, vou deixar aqui também:

Se você ficou com vontade de conhecer um pouco mais de Carmen McRae, ela é uma cantora americana, nascida no Brooklyn, filha de pais jamaicanos. Começou a tocar piano aos 8 anos, e aos 15 virou amiga de Billie Holiday. E daí em diante foi consolidando sua carreira como cantora de jazz.

Ela não recebeu tanta atenção da mídia como Billie, Sarah Vaughan ou Ella Fitzgerald, mas mesmo assim era uma cantora fantástica, com uma capacidade vocal impressionante.

Olha que diferente essa versão em inglês, super jazzada de “Chega de saudade”:

Aqui ela canta a clássica “My foolish heart” lindamente:

E dá-lhe música boa!

Small Faces – All or nothing

Ultimamente estamos vivendo dias polarizados, opiniões exaltadas, tempos de muitos exageros, de tudo ou nada. Gente que nunca teve intelecto ou interesse político, fazendo 10 declarações por dia de cunho eleitoral.

É desesperador. É preocupante. É cansativo.

Mas no meio dessa canseira toda, veio a sensacional All or nothing na minha cabeça.

Small Faces é uma banda britânica que fez muito sucesso na década de 1960, tendo seu auge em 1966.

Outra música deles que gosto muito é essa aqui, Lazy Sunday Afternoon (que é um ótimo descritivo do que foi o dia de ontem, inclusive):

Boa semana! Sobrevivamos.