Luísa Sobral – O meu cão

Olá! Como está a sua segunda-feira? Eu sei. Não se preocupe. Eu tenho a solução.

Prometo.

Hoje por um acaso danado dos algorítimos da internet, me apareceu essa sugestão de cantora fantástica que eu nunca tinha ouvido falar. Luísa Sobral é uma portuguesa de 31 anos simplesmente fantástica. Cantora incrível, compositora, instrumentista. É sensacional.

Com uma criatividade e sensibilidade fora do comum, ela faz algumas das músicas mais fofas e lindas que ouvi nos últimos tempos. Não acredita? Escute e assista o clipe de O meu cão :

É tão fofinho que eu nem sei o que dizer. Parece que saiu direto da trilha sonora do filme Toy Story.

“Ah Paula. Mas eu não gosto de cães” – disse a pior pessoa do mundo.

Ok. Mas e de bebezinhos, você gosta? Sim né? Como não gostar? Então se emocione com o lindo clipe e música abaixo:

Quem já passou por aqui antes, sabe que eu adoro covers incríveis. Dá uma olhada nessa versão que Luísa fez de Wrecking Ball, da Miley Cyrus. Simplesmente incrível:

E olha que d+ ? A Luísa também tem um irmão super talentoso, chamado Salvador Sobral:

Viva a terrinha! ❤

Anúncios

Khalid no NPR

Olá amiguinhos!

Esse bloguito nos últimos dias ficou fora do ar porque fiz umas mudanças de servidor.

Acredito que agora estamos numa plataforma melhor, dá pra vocês comentarem em cada post, e criei também um email sempre que quiserem indicar suas músicas pra cá. É o falecomindicamusica@gmail.com .

O que acharam da carinha nova do blog? Eu curti.

Ontem apareceu pra mim esse vídeo de alguns dias atrás, mas que eu ainda não tinha visto: o Khalid no NPR Tiny Desk, e é simplesmente sensacional.

O Khalid foi um dos primeiros posts desse blog com Location, em que eu te avisei que esse mocinho tem apenas 20 aninhos e é talentoso pra caramba.

Olha que demais ele ao vivo só no voz+violão, como pode essa voz tão incrível?

Confesso que gostei mais dessa versão de Young, dumb and broke do que da original.

Khalid seu maravilhoso, vai longe!

The Gardiner Sisters – Home / Dirty Paws

Faz tempo que não aparece um cover acústico por aqui né? Eu amo cover acústicos e sempre que eu posso enalteço isso. Adoro que no cover acústico muito se perde da música original, e isso não é algo ruim quando bem feito.

Tem muitos covers que dão outra cara pra música original. Uma prática comum em covers é o que aqui no BR a gente chama de pout pourri, que é misturar mais de uma música em uma só. A versão que trago hoje é tão fofinha, que acho que agrada até os mais céticos.

É um mix de Home do Edward Sharpe e de Dirty paws do Of monsters and men. Eu nunca tinha ouvido Dirty paws até esse cover, e é incrível como ela e Home são parecidas. Olha que legal, nessa versão elas parecem que são uma só:

Se você ficou curioso e quer ouvir as originais, aqui estão:

E a muito famosa, muito tocada, quase esgotada Home, do Edward Sharpe & the magnetic zeros (que eu sempre vou amar e não canso de escutar como se fosse a primeira vez):

Recentemente apareceu numa playlist minha uma versão ao vivo de Home, e como eu adoro fiquei ouvindo. Quando chegou no meio, aquela parte em que eles tem aquele diálogo, os cantores falaram algo parecido com: “você já ouviram vezes demais a nossa história, agora é a nossa vez de ouvir a história de vocês”. E eles chamavam pessoas aleatórias da plateia pra contar um trechinho de sua história.

Apareceu cada depoimento emocionante que confesso que me peguei chorando no carro, hehe. Achei no youtube um show em que eles fazem a mesma coisa:

É muito emocionante, eles pegam a historia de um fã que teve câncer e foi visitado pelos integrantes da banda no dia que recebeu o transplante que salvou a vida dele. Infelizmente esse mocinho morreu em dezembro de 2016. Aqui tem um link que conta toda a história, se você quiser saber mais. Daí temos que chorar né? Não tem muito jeito.

Mas eu amo Home mesmo que ela toque 1 milhão de vezes, jamais vou enjoar, pode por em todas as playlists que tá pouco ❤

Benito di Paula – Retalhos de cetim

Confesso que hoje achei um pouco de dificuldade em achar uma música pra postar, porque ainda tou meio impactada do nosso Childish Gambino de ontem, e hoje passei o dia ouvindo ele e o Tyler, The Creator,  que já apareceram por aqui.

Mas essa semana baixei no meu Spotify uma playlist de samba muito boa, e venho ouvindo bastante essa música no carro.

Gosto muito do ritmo lento, da forma prolongada e vagarosa de falar cada palavra. Gosto muito tambem do teor over dramático da letra. Se você nunca ouviu essa música, ouça livre de preconceitos:

Deixo tambem um cover bem bonito, um pouco mais ágil, mas muito legal:

mais um cover bonito, no cavaquinho, menos dramático também, mais moderno:

Qual foi a sua versão favorita?

Bruce Springsten – Dancing in the dark

Olha, se você que só conhece “Born in the USA” do Bruce já torceu o nariz e falou “eu hein”, por favor ,curta esse som e depois nos falamos.

Essa música é demais, meu irmãozinho.

Tudo nela é demais. O vocal, o ritmo, a voz, e a letra é maravilhosa. Eu fico triste de verdade quando essa música acaba. Por mim ela podia durar horas.

Eu só conheci essa música recentemente, embora ela seja de 1984. Mas o clipe dela pra mim é maravilhoso. Tudo que tem de daora dos anos 80 tá aqui.

O Bruce Springsteen tá lindo maravilhoso (não vamos enganar ninguém aqui), a roupa dele pra mim é o máximo, a energia, a performance, e quando você acha que não dá pra melhorar, ele chama pra dançar com ele no palco uma bem novinha COURTNEY COX.

ELA MESMO, A MONICA GELLER DE FRIENDS com seus 20 aninhos.

(aliás, queria fazer uma observação de baixíssima importância, mas pq não, já que estamos aqui? Ironicamente hoje eu tou com EXATAMENTE o mesmo look da Courtney Cox nesse clipe. Cabelinho pixie, camiseta branca masculina, jeans azul de cintura alta. Só que ela tá de converse e eu de nike airmax.)

Eu amo a estética 80s, amo a energia (já falei, mas é pra dar ênfase mesmo). Apenas curta muito esse som, que já a gente fala da letra:

Cêis tambem acham o Bruce Springsteen de 84 parecido com o Hugh Jackman de hoje?

Acho tão linda a letra. Ela fala muito sobre estar frustrado no seu atual estado, estagnado, de querer provocar mudanças, enfim. Contagiante, pra dizer  o mínimo:

“I check my look in the mirror
I wanna change my clothes, my hair, my face

Man, I ain’t getting nowhere
I’m just living in a dump like this
There’s something happening somewhere
Baby I just know that there is

You can’t start a fire
You can’t start a fire without a spark “

Como essa música é maravilhosa, ela tem muitos covers acústicos sensacionais. Esse aqui é demais:

Esse aqui é muuuuito bom também. Um pouco melancólico, mas lindo d+++

A minha diquinha pra você hoje é: coloque essa música HOJE na sua playlist. Segunda feira de manhã quando você for trabalhar, coloca ela no carro pra tocar bem alto. E prometo que você  vai chegar pelo menos uns 5% mais animado pra trabalhar. Chegue mais animado, ou seu dinheiro de volta.

You can´t start a fire without a spark!

Khalid – Location

Gente, antes de mais nada: esse nenê tem VINTE ANINHOS.

Essa música é de 2016. ELE TINHA 18 ANOS QUANDO ELA ESTOUROU.

Contemple esse sonzinho alto astral, e fique baixo astral por você ser mais velho que ele e não ter metade do talento (hahahahah).

E claro, receba sua versão no piano. GO KHALID!

E não poderiam faltar uns covers acustícos, né nom?

Versão lindinha de voz e piano

Pra quem gosta de técnicas em violão, essa versão ficou bonita em fingerstyle, embora o vocal não seja o meu favorito. Mas não é legal o que essa mulecadinha jovem do youtube é capaz? hahahahaha me sinto com 800 anos de idade e zero habilidades.

Arctic Monkeys – Hold on we´re going home (Drake cover)

Eu amo muito covers.

Quando eu gosto muito de uma música, a primeira coisa que eu faço é escutar 1 milhão de vezes.

Depois que eu escuto 1 milhão de vezes e decoro tudo que dá pra decorar, eu procuro a versão ao vivo, pra ver a diferente interpretação do artista, fora do estúdio, improvisando, etc.

Certo. Depois disso vem a minha parte predileta, que é procurar covers loucamente.

A princípio eu só pesquisava covers acústicos. Mas agora que no youtube existem todos esses programas maravilhosos de covers com artistas famosos (bbc 1 live lounge, triple j, etc etc), agora tem muito cover bom por aí, o que me deixa bem feliz.

Drake é bom demais.

Arctic Monkeys é bom demais.

Esse cover ficou coisa de outro mundo. Eu amo tanto a intro de bateria do Matt Helders. Na verdade, a bateria toda da música é ON POINT AF. Aproveitando pra fazer uma declaração aos backing vocals dele, como eu amo.

Já que tamo falando de Arctic Monkeys, e dos falsetes do Matt, por que não deixar mais uma? Não é cover de ninguem, é hit deles  mesmo, mas tão maravilhoso. Amo tanto o violão.

Mais um porque né? Essa apresentação do I Wanna Be Yours, eu confesso que eu gosto mais do que a original, de tão linda e intimista que ficou.

Já que esse post se prolongou mais do que deveria, vou voltar ao assunto inicial que era cover. Pega que linda essa versão do Arctic Monkeys pro hit do Tame Impala. O que é esse vocal do Alex Turner aqui? Achei que elevou a música a outro nível, pra ser sincera.

Qual foi seu predileto?

Long live Alex Turner!