Di Melo – Kilario

You want some groove, yeh? 

You’re welcome then. This song appeared on my weekly suggestions from Spotify, and I just didn’t care.

I’ve listened to it once, and didn’t pay much attention to it. Weirdly enough, the next day I was singing it from top to bottom and shaking my shoulders and head to it’s rhythm in my mind. “What’s happening here?” my brain asked. I had no answer but to listen to it again.

Turns out Kilario is arranged by the brilliant brazilian brilliant instrumentalist Hermeto Pascoal. Enjoy this groovy tune from 1975, performed by Di Melo:

*****************************************************************************

Quer um groovão pra animar a semana meu amigo?

De nada! Essa música casualmente apareceu no meu Sugestões da semana do Spotify, e eu nem liguei.

No dia seguinte eu acordei e simplesmente tava cantando ela de cima em baixo, chacoalhando a cabeça e os ombrinhos no ritmo da música. Meu cérebro perguntou “o que caralhos tá acontecendo aqui?” e eu não tinha outra coisa pra responder alem de ouvir mil vezes mais essa música.

Kilario é produzida e arranjada pelo bruxo Hermeto Pascoal, não tinha como dar errado. Curta essa canção de 1975 do cantor Di Melo:

Tanto faz – Tim Bernardes

You’ve already read here about O Terno, this fantastic brazilian indie band. If you haven’t heard their sound yet, damn boy, what you waiting for? Run!

Cheez.

Did you run?

Are you back now?

Good to go?

OK then, let’s talk about Tim Bernardes. He’s the lead singer and composer for O Terno, and this past year he has in parallel to the band tour, developed his solo career. He’s 27 (my very own age, which btw made me feel highly unproductive, but that’s ok) and he is very, very talented. Listen to Tanto Faz and be amazed:

Great voice, beautifull lyric, wonderfull overall song. What else could we possibly want?

*******************************************************************************

Eu já escrevi aqui sobre a fantástica banda O Terno. Se você nunca ouviu nada deles, corre lá ouvir!

Já correu?

Recuperou o fôlego?

Voltou?

Então tá bem então.

Vamos lá.

Tim Bernardes é o vocalista d’O Terno, porém leva em paralelo uma carreira solo fantástica. Ele tem 27 aninhos (minha idade, me senti muito improdutiva inclusive, que saco) e é fantástico.

Escuta só Tanto Faz e se surpreenda:

 

é demais, né não?

Ele é incrível cantor, compositor, violonista, enfim. É bão d+

 

Vou aproveitar e deixar uma entrevista dele por aqui:

Dê um Role – Gal Costa

This is such an amazing song, holy shit. It’s originally by Novos Baianos, but here you’ll listen to the fantastic version by the mesmerizing singer Gal Costa.

This is a live version from 1971, with an awesome instrumentation and a KILLER bassline, from beginning to end. 

The lyrics in Dê um role are amazing, it is retty much about living in violent and crazy times, with lots of different ways of thinking, an how to cope with that by being chill, going for a ride and killing them with kindness. I’d say that’s very relatable to the crazy times we’re living in.

Enjoy and be amazed with it:

 Just in case you are interested in the original version, from Novos Baianos – that is also fantastic, even though I absolutely hate that annoying flute – here it is. Good luck on trying to pick your favorite.

****************************************************************************

 

Essa é uma música sensacional, originalmente dos Novos Baianos, mas aqui trago interpretada pela inigualável Gal Costa.

Essa é uma versão ao vivo de 1971, com uma instrumentação foda, e um baixo sensacional do começo ao fim.

Adoro algumas frases dessa música, que me parecem muito lindas pros tempos malucos que estamos vivendo:

“Enquanto eles se batem
Dê um rolê e você vai ouvir
Apenas quem já dizia
Eu não tenho nada
Antes de você ser, eu sou
Eu sou, eu sou, eu sou o amor da cabeça aos pés”

 

Curta, e fique com ela na cabeça o resto do dia:
Agora, caso você queira conhecer a versão dos Novos Baianos, que é igualmente fantástica (embora, se eu pudesse eliminar essa flauta incômoda, eu o faria), segue abaixo. Boa sorte tentando escolher sua favorita:

The smiling hour – Sarah Vaughan

Manny years ago, when I was only starting as a tiny vinyl collector, I very quickly became madly in love with Ella Fitzgerald and other characters that always seemed to be left asides in record shops and thrift stores.

One of them was this fantastic gal, none less than “The divine one”, miss Sarah Vaughan.

Miss Sarah sang from 1942 to 1990. How’s that of a career for you? That means that with almost 50 years of singing, Sarah gifts us with many different phases of her voice and many different styles of singing and rhythms throughout the years. And that makes me love her even more.

In a certain point of her life, Sarah has become very much in love with Brazil. She toured numerous times there, and in the 70s recorded the album “I love Brazil” with brazilian stars Milton Nascimento, Dorival Caymmi and Tom Jobim. That album was a Grammy nominee.

In 1981, Sarah released the brazilian-influenced album entitled Copacabana, home to our song for the day, The smiling hour.

Just to show some more of Sarah’s tropical love, her last album to ever be recorded is entitled “Brazilian Romance”, produced and arranged by the brilliant brazilian pianist Sergio Mendes. 

 

Enjoy this pretty tune, The smiling hour:

 

The Smiling hour is an english version for the song Abre alas, by brazilia singer Ivan Lins. Check it out and let me know which one is your favorite:

 

****************************************************************************

Muitos aninhos atrás, quando eu comecei a colecionar discos de vinil, eu logo me apaixonei pela Ella Fitzgerald e muitas outras figurinhas frequentes na época que vinil não valia nada.

Uma delas foi ela, “The Divine One“, a divina, Sarah Vaughan.

Sarah Vaughan cantou de 1942 até 1990, ou seja, temos tudo que é tipo de período, estilo, e inclusive de evolução da voz da cantora pra apreciar. E isso é muito legal.

Sarah era completamente apaixonada pro Brasil, inclusive fez várias turnês pelo país. Na década de 1970, gravou o disco “I love Brazil!” com Milton Nascimento, Dorival Caymmi e Tom Jobim – que foi indicado ao Grammy.

Em 1981 ela lançou o álbum Copacabana, de onde vem a musica de hoje, The smiling hour.

Em 1987 foi gravado o último disco de Sarah, chamado “Brazilian Romance”, produzido pro ninguém menos que Sergio Mendes.

Curta The smiling hour:

Essa é uma versão em inglês para a música Abre alas, de Ivan Lins, que você pode conferir abaixo, e decidir qual é a sua favorita:

“Já está chegando a hora…”

Cartão postal – Apanhador só

As I mentioned previously, I kinda moved from Brazil to Italy these past couple of days.

Yeah.

Now it sort of makes sense all of those occasional italian song that would pop in here and there, right?  

Back when I still was living in Brazil, I’d often think that I would miss so many foods and drinks – don’t judge my fat mindset. But how surprised was I, when I realised that what made me feel more homesick of all was the music.

Every time I’d listen to a good brazilian song, I’d feel emotional, both near and far. Crazy and weird, but what can I say? Feelings, bro.

The song today is not your  traditional or quintessential old school samba, but rather is an adorable and easy going song, called Cartão Postal , which means postcard.

This song made me think about my days here in Italy both as a tourist and as a resident. The song says “I’m sitting inside of a postcard / Looking closely, everything seems so normal” which is kinda how I feel like now? I sort of live inside of postcards now, so it really is a different sensation, visiting without the hurry of a 1 week vacation, really makes the city seem so normal.

Hope you enjoy it:

*************************************************************************************

Como disse por esses dias, meio que acabei me mudando do Brasil pra Itália há algumas semanas.

Agora faz sentido pra você o porque de algumas ocasionais músicas italianas por aqui né não?

Quando pensava na minha partida do BR pra cá, ficava pensando “vou sentir tanta saudade da comida brasileira”, pensava na saudade do pão de queijo, do escondidinho, da coxinha, do brigadeiro, etc, etc, etc. Longa lista da gordinha.

Qual não foi minha surpresa que ao chegar aqui eu não senti falta da comida, mas sim das minhas musiquinhas brasileiras? Que maravilha é a música, esse negócio imaterial e que ao mesmo tempo traz todo tipo de sensação física e psicológica. Vai entender?

Cheguei aqui e me pegava preparando uma pasta ou qualquer comida bem italianuda que você queira imaginar, e sentia necessidade de uma música brasileira, um samba, uma bossa, enfim.

Mas hoje trago não um sambão, mas uma musiquinha amena e bonita, chamada cartão postal. Ela me faz pensar  nos meus dias em que turisto por aqui. “Estou sentado dentro de um cartão postal, olhando aqui de perto tudo é tão normal”, que é como me sinto agora que meio que eu moro  nos cartões postais? É uma sensação diferente, visitar uma cidade turística sem aquela pressa habitual de viagem de uma semana, realmente tudo parece normal.

Espero que você goste:

Tempo de Pipa – Cícero

I have a very significant habit of choosing certain songs and just sticking it to my brain in endless loopings.

 I guess I mentioned it here a couple of times before.

It’s crazy, like some sort of haunt or musical hallucination, one may call it – with a tiny bit of exaggeration.

But I assure you that it feels impressive.

When these loopings start, the chosen song plays on and on as if it were in a loud speaker, right besides me. And because of that, I keep on repeating the same sentences of that song for days – and nights – dreaming about it, wake up singing just a tiny sentence of it. Sure is something.

Oftenly these looping episodes happen attached to some significant event. A special dinner, a birthday / anniversary, a trip, or eventually, with nothing at all.

These past days I ended up moving from Brazil to Italy. You know, adult life and shit. And so, I think you can imagine that there was a lot of anticipation, anxiety and sure a load of expectations envolved, am I right?

The days prior to the trip sure wore the worse. Absolutely crazy, full of dozens of things to do, goodbyes to say, boxes to close and suitcases to pack.

But the day of the trip itself bothered me deeply, because it was ridiculously calm and with nothing important to do. How come there was nothing else to do? I guess, that was it. It was time to go, at last. And when it was indeed, ecco: here it came, a sneaky little song to stick mercilessly looping into my brains.

Tempo de Pipa, by Cícero stuck into my ears such as an hallucination. Probably pecause in this song there’s the beautiful sentence “I hate goodbyes”.

So enjoy this delicate and poetic brazilian song, and be prepares to stuck with it in looping into your ears:

*****************************************************************************************

Eu tenho uma mania muito significativa de ficar com certas músicas presas em looping na minha cabeça.

Acho que já falei disso por aqui.

São tipo assombrações ou alucinações musicais, assim por dizer – com um pouquinho de exagero.

Mas é impressionante.

Quando entra nesse looping, a música toca como se estivesse numa caixa de som bem perto de mim, e eu fico repetindo as mesmas frases por dias, noites, sonho com a frase, acordo com a melodia ecoando. É uma coisa.

E muitas vezes esses episódios de loopings acontecem atrelados a alguns acontecimentos específicos. Um jantar, um aniversário, uma viagem, as vezes é com nada mesmo.

Esses dias acabei me mudando do Brasil pra Itália, sabe assim? Coisas da vida.

E daí que acho que você pode imaginar que teve bastante antecipação, ansiedade e expectativa envolvida.

Os dias que anteciparam a viagem foram uma loucura tremenda, cheios de mil coisas pra fazer e resolver antes de viajar.

O dia de fato da viagem foi de uma calmaria que me incomodou. Como assim eu não tinha mais nada pra resolver? Pois é, realmente só restava esperar o voo. E ecco: aí estava. Chegou uma musiquinha pra grudar em looping pra ajudar.

Tempo de Pipa, do Cícero grudou que nem alucinação no meu ouvido no dia da viagem. Provavelmente por causa da frase “odeio despedidas…”

Talvez por causa do “eu vou te acompanhar, de fita” que eu entendia que era “de cima” , e associava ao avião que estava prestes a pegar, virava uma linda metáfora.

Talvez por causa do “Mas tudo bem, o dia vai raiar, pra gente se inventar, de novo” , que me parece uma baita de uma frase pra quem tá passando por uma baita de uma mudança, uma mudança continetal, deveras.

Fique com essa música linda, e cuidado: ela pode grudar em looping : )!

 

Ana Frango Elétrico – Farelos

Hoje trago uma música inusitada e gostosinha de ouvir. Garanto que você vai ficar com a frase “I…have….only fareloshhhh!” na cabeça por um tempo. A música Farelos apareceu no meu shuffle e eu amei. Acho que você vai  curtir também:

Se você achou engraçado o nome Ana Frango Elétrico da cantora (eu também achei), eu te explico o porque: Ela se chama Ana Fainguelernt, e só queria um nome fácil de pronunciar que fosse parecido com seu sobrenome de verdade. Logo, Fainguelernt < Frango elétrico.

Se eu fosse aderir a essa ideia, acho que me chamaria Paula Vai lá. Melhor não?

Vou deixar aqui o disco todo, que é uma coisa meio psicodélica, meio tropicália, com uma vozinha suave, letras louquíssimas, e instrumentação muito legal: